quarta-feira, 14 de agosto de 2013

A Argentina não precisa mais crescer

Para quem ainda não entendeu: a verdade é que a Argentina não precisa mais crescer. Suas políticas econômicas têm sido cuidadosamente desenhadas para impedir a expansão do PIB.

O argentino médio tem hoje uma renda digna: dez mil dólares e uns quebrados por ano. Chegaram lá graças aos Kirchners e ao modelo (e não, como dizem os invejosos, por causa das vendas de soja à China).

Tenho para mim (gostaria de ver estudos) que a diferença entre esse nível de renda e o de alguns países mais ricos vem de duas coisas: imperialismo e exibicionismo. Nenhum dos dois, graças a Deus, faz parte da índole do argentino.

São ricos por natureza, e com dignidade. Com a vida ganha, a nação argentina hoje se dedica, essencialmente, ao diálogo.

Exemplo: Sabendo que eu passaria por Buenos Aires, uma conhecida de São Paulo pediu-me que levasse um pequeno maço de dólares para uma amiga sua. Trocados no blue, dariam à moça um complemento de renda. Achei justo.

Encontrei-a na entrada da Galeria Pacífico: diálogo. Perguntou se eu não queria visitar o seu doleiro: diálogo. Conversamos sobre a taxa de câmbio em diferentes bairros: diálogo.

Nas lojas, em geral aceitam-se dólares. A que câmbio? Mais diálogo. Vi jovens brasileiros maravilhados: "Nossos dólares trazidos do Brasil, trocados no paralelo, compram o dobro de coisas! Quem paga por isso?"

Um rico dialogo!

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir